quinta-feira, 12 de setembro de 2019

VÉI SONEGADOR


terça-feira, 10 de setembro de 2019

Atores de 'Todo Mundo Odeia o Chris' pedem animação após desenho de brasileiro


Por Estadão Conteúdo - Versão animada do seriado, feita por Rafael Gandine - Foto: Divulgação/Instagram

Todo Mundo Odeia o Chris foi foi um seriado de sucesso no Brasil, principalmente devido ao período em que era exibido pela Record TV. Agora, dez anos após o fim da produção, alguns atores da trama estão pedindo uma série animada depois de descobrirem um trabalho feito por um ilustrador brasileiro.
No ano passado, Rafael Gandine publicou em seu perfil no Instagram o resultado de um projeto no qual usou os personagens de Todo Mundo Odeia o Chris para elaborar uma versão animada.
Embora as imagens tenham sido publicadas em 11 de outubro de 2018, foi só neste fim de semana que o trabalho repercutiu após o ator Terry Crews, que interpretou Julius no seriado, compartilhar a obra de Gandine na rede social.
"Que grande ideia! Por favor, façam o desenho animado de Todo Mundo Odeia o Chris", escreveu Crews na legenda, na qual marcou o próprio Gandine, outros atores do núcleo principal do seriado e Chris Rock, criador da produção televisiva.
O ator Tequan Richmond, que fez o papel de Drew, também se empolgou com o desenho criado por Gandine. Na foto compartilhada por Crews, ele perguntou: "podemos fazer isso acontecer?". O intérprete de Julius respondeu: "Tenho certeza de que podemos fazer isso!"
Richmond também publicou a foto no seu perfil no Instagram e disse: "Sim, pessoal, vamos fazer isso! A série animada de Todo Mundo Odeia o Chris". A atriz Imani Hakim, que atuava no papel de Tonya, replicou a publicação de Richmond em seus stories da rede social.

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Prêmios que distribuem quase R$ 25 milhões para área cultural entram na reta final de inscrições


Termina às 23h59 do dia 12 de setembro o prazo de inscrições no Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura e do Prêmio Catarinense de Cinema que, juntos, distribuirão R$ 24.860 milhões a projetos da área cultural. Para participar da edição de 2019 dos editais, os projetos devem ser inscritos nas plataformas, criadas especialmente para este fim, disponíveis no site cultura.sc.gov.br.
Prêmio Elisabete Anderle
A principal ferramenta de fomento à arte em Santa Catarina distribuirá R$ 5,6 milhões a projetos de três áreas: Patrimônio Cultural, Artes e Artes Populares. Os recursos são do Governo do Estado de Santa Catarina, com promoção da Fundação Catarinense de Cultura (FCC).
Proponentes de todo o estado podem submeter seus projetos para os três editais que compõem o Prêmio Elisabete Anderle. O Edital de Patrimônio Cultural premiará projetos nas categorias Patrimônio Material; Patrimônio Imaterial; Museus; e Bibliotecas Públicas. O Edital de Artes Populares contemplará as categorias Artes Circenses; Culturas Populares e Diversidades; Culturas Negras e Afro-Brasileiras; e Culturas dos Povos Indígenas. E o Edital de Artes se subdivide nas categorias Artes Visuais; Dança; Música; Teatro; e Letras - Livro, Leitura e Literatura.

CAPES - APROVADOS NO VESTIBULAR EAD NA UESC TEM MATRÍCULAS SUSPENSAS

Nenhuma descrição de foto disponível.

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Pesquisadores temem colapso das agências de fomento à ciência no Brasil

Lideranças da comunidade científica entregam uma cópia da petição em defesa do CNPq ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia – Foto: Divulgação SBPC

JORNAL DA USP - Por Herton Escobar - Aciência brasileira nunca olhou para o calendário com tamanha apreensão. Setembro surge no horizonte acompanhado de um prognóstico tenebroso, que assombra a comunidade científica já há alguns anos: o colapso das agências de fomento federais — em especial, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
Criado em 1951 — muito antes mesmo do ministério ao qual hoje ele está vinculado —, o CNPq é uma pedra fundamental do sistema de ciência e tecnologia no Brasil, responsável por apoiar o desenvolvimento de pesquisas científicas no País por meio de bolsas e financiamento de projetos. Difícil achar um bom cientista brasileiro, seja no setor público ou privado, que não seja ou tenha sido apoiado pelo CNPq em algum momento da sua carreira.
Pois bem: após cinco anos de uma hemorragia orçamentária contínua, imposta por sucessivos cortes e contingenciamentos do governo federal, o CNPq está agora à beira da falência. Literalmente. O valor desembolsado pela agência com fomento (financiamento de projetos) encolheu 65% desde 2014, reduzindo-se a míseros R$ 270 milhões em 2018, segundo um levantamento feito pelo professor Carlos Henrique de Brito Cruz (tabela e gráficos abaixo).

Bienal do Livro do Rio de Janeiro tem visitas para pessoas com deficiência visual


Portugal Digital com Agência Brasil - Dois guias acompanham crianças e adultos no passeio pelo espaço que retrata uma floresta e que conhecerão por meio de audiodescrição e experiência sensorial. Na toca de leitura, a Bienal vai disponibilizar para esses vistantes livros em ‘braille’ (sistema de escrita tátil utilizado por pessoas cegas ou com baixa visão).
As visitas prosseguirão em 1º, 4, 5, 6, 7 e 8 de setembro, às 9h, durante a semana, e às 10h, nos finais de semana. Os grupos são limitados a 20 pessoas. A inscrição pode ser realizada no site da Bienal (www.bienaldolivro.com.br). O ponto de encontro será no balcão de informações do Pavilhão das Artes, na entrada do festival literário.
Os dias 2 e 3 de setembro estão reservados para 40 crianças com deficiência visual, alunas do Instituto Benjamin Constant, que receberam convites para visitar a Bienal.
Considerada a Bienal mais acessível da história, a feira do livro do Rio tem nesta edição, também pela primeira vez, todas as sessões da programação oficial com tradução em libras, para atender às necessidades de comunicação de deficientes auditivos.
O funcionamento da Bienal é de 9h às 21h, nos dias de semana; de 9h às 22h, na sexta-feira; e de 10h às 22h, nos fins de semana.

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Você sabia quanto livros vendeu Jorge Amado até aqui?


Quando se pensa em vendas de livro no Brasil as pessoas pensam em Paulo Coelho, mas isso é muito taxativo. A verdade é que há autores que venderam muitos livros, não tantos quanto Paulo Coelho, mas com uma literatura muito superior.
Desde que lançou há 88 anos seu primeiro livro, o escritor baiano Jorge Amado vendeu mais de 25,7 milhões de livros. O clássico "Capitães da Areia" (1937) lidera a lista dos livros mais vendidos do escritor, com 5,3 milhões de cópias. Em seguida aparece "A Morte e a Morte de Quincas Berro D'Água" (1961), que vendeu 4,2 milhões.
"Gabriela Cravo e Canela" (1958), cuja história serviu de base para uma novela e um filme, aparece em seguida, com 2,5 milhões de livros. Já "Tocaia Grande: A Face Obscura" (1984) é responsável pela venda de 1,9 milhão de cópias, seguida por "Mar Morto" (1936), com 1,6 milhão.

Os segredos do sucesso de Agatha Christie


Quando o acadêmico irlandês John Curran, o fã mais ardente do escritor mais vendido do mundo, encontrou seus cadernos, ele percebeu que as estratégias do processo dessa mega best-seller tinha que ser compartilhados.

Como Agatha Christie, uma mulher normal, sem educação formal e sem antecedentes familiares de escritores, produziu os livros mais vendidos da história? Como essa mulher foi capaz de estabelecer um padrão na ficção policial que nunca foi superado, ou de fato igualado? Sozinha entre seus contemporâneos da criminalidade, como ela conseguiu transformar um entretenimento simples e de fórmula, num passatempo internacional, aparentemente, o tempo todo? Nos seus próprios livros - e através dos Os Diários Secretos de Agatha Christie, com uma seção sobre suas “Ideias Não Utilizadas” - podemos ver como o estoque de ideias dela parece ter sido inesgotável. Era, com toda a probabilidade, a inveja de seus colegas escritores. Ao longo de sua vida, ela foi capaz de recitar ideias e dispositivos da trama com facilidade invejável. E ela poderia adotar e adaptar uma ideia anterior de maneira tão bem disfarçada que a tornasse irreconhecível.

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

A Negação da Negação de Hegel e a finalidade do Direito Penal



Por Keren Baesso.
Ensina Bobbio que, somente quando se leva em conta a finalidade de uma ação é que se pode compreender o seu "sentido". Assim, para estudar e compreender o Direito Penal há que se perguntar sobre sua finalidade.
É importante destacar desde logo, que a despeito da (aparente) proximidade conceitual, existem diferenças fundamentais entre a finalidade da pena e o Direito Penal. Para classificar a finalidade da pena criminal, de modo breve, podemos dizer que o nosso Código Penal de 1984,adotou a teoria mista, também denominada eclética ou unificadora, defendida por Adolf Julius Merkl. Esta teoria preconiza que a pena criminal tem duas finalidades: reprovação e prevenção.
É o que nos revela a leitura do artigo 59, caput, do nosso Código Penal:
“Art. 59 - O juiz, atendendo à culpabilidade, aos antecedentes, à conduta social, à personalidade do agente, aos motivos, às circunstâncias e consequências do crime, bem como ao comportamento da vítima, estabelecerá, conforme seja necessário e suficiente para reprovação e prevenção do crime: (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984”.
No que tange à finalidade do Direito Penal,por sua vez, dentro da doutrina brasileira e estrangeira, temos três posicionamentos de relevância.
Em primeiro lugar, tem-se a posição defendida por Hans Welzel. Para ele, o Direito Penal possui dupla missão: missão ético-social e missão protetiva.
Temos também uma segunda teoria, esta adotada majoritariamente no Brasil e muito bem defendida por Rogério Greco. Trata-se da teoria da Proteção de bens jurídicos. Segundo esta, o Direito Penal tem por função a proteção de bens jurídicos.
E por ultimo, e aqui onde queríamos chegar, tem-se uma terceira corrente, defendida por Gunther Jakobs, na sua Teoria denominada: Teoria da Reafirmação da Vigência da Norma. É na teoria de Jakobs, que encontramos a teoria da “negação da negação” criada por Georg Wilhelm Friedrich Hegel. Já que Jakobs não esconde ser seguidor desse grande filósofo.
Jakobs entende como sendo o fim do Direito Penal a estabilização do conteúdo da norma. Não se trata, portanto, de proteção dos bens jurídicos, mas sim, da manutenção e confirmação da vigência da norma.
Afirma Guinther Jakobs, que o direito penal não tem por finalidade proteger bens jurídicos, na realidade o direito penal tem por finalidade, reafirmar a vigência da norma, confirmar o seu reconhecimento perante a sociedade.
Segundo ele, nós como sociedade vivemos dentro das “expectativas” cognitivas e normativas. As expectativas normativas, como o próprio nome sugere, seria esperar das pessoas que elas ajam conforme a norma.
Para Jakobs, quando um agente pratica um delito, ele não viola um bem jurídico, mas sim a expectativa normativa, o que significa dizer, que, ele viola a vigência da norma. Quando o agente comete um delito, ele nega o fato da existência da norma que o proibia.
Surge então, o direito penal, para reafirmar perante a coletividade a vigência dessa norma. O direito penal, portanto, estaria reafirmando a vigência da norma.
Logo, a punição como consequência do delito, seria aplicada para “dizer” a sociedade que a norma continua em vigor. O direito penal, portanto seria a negação da negação do agente.
Exemplificando, quando o agente comete um delito, ele esta negando a norma, o Estado com a sua punição surge, para negar a negação do agente.
A estabilidade das normas é o principal objetivo da aplicação do sistema jurídico, pois as normas jurídicas têm a função de orientar, estabilizar e institucionalizar as expectativas sociais, a fim de que sejam evitadas decepções.
Jakobs estabelece que a função da pena é a manutenção da norma como modelo de orientação para a relação social. O conteúdo da pena é uma contradição da negação da autoridade da norma, à custa do infrator da mesma.
Em síntese, Para a Filosofia do Direito de Hegel, a “pena é a negação da negação do direito. É, pois, a alternativa a cumprir um papel restaurador da ordem atingida”35. Em outras palavras, ocorrendo à negação do direito, este deve responder na mesma intensidade.
Ressalte-se que é neste sentido que a concepção de Jakobs também se aproxima do pensamento de Hegel, que afirma ser a pena a negação da negação do Direito, fundamentando-a como necessidade para o restabelecimento da ordem jurídica violada.

Keren Baesso

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

“Euclides era militar. Ele também queria derrubar Canudos”

O arraial de Canudos (acima): contato com a terra e o povo do sertão baiano mudou a visão de mundo do escritor Euclides da Cunha – Foto: Wikimedia Commons-CC.
“Euclides da Cunha era militar. Ele também queria derrubar Canudos. Mas, quando chegou lá, ele se apaixonou pela terra, vendo o outro lado, ouvindo as canções e as orações que os sertanejos emitem e vendo a inteligência daquele povo.” Assim o diretor de teatro José Celso Martinez Corrêa descreve a transformação do escritor após conhecer o homem e o sertão baiano, em entrevista para a série de podcasts Os Sertões – História de Canudos, produzida pelo Instituto Moreira Salles, de São Paulo, e transmitida pelo programa USP Especiais, da Rádio USP (93,7 MHz).
No dia 7 de agosto de 2019, o programa apresentou os últimos dois episódios da série. Num deles, os entrevistados são José Celso Martinez Corrêa e o escritor amazonense Milton Hatoum. José Celso encenou em 2002 uma adaptação de Os Sertões com o Teatro Oficina e Hatoum é autor de ensaios sobre Euclides. No outro episódio apresentado em USP Especiais, no dia 7 de agosto, a história de Canudos é contada por dois personagens oriundos daquela região: o historiador João Batista, guia do Parque Estadual de Canudos, e o músico Fábio Paes, que lançou o CD Canudos e Cantos do Sertão.
A série Os Sertões – História de Canudos tem produção e apresentação de Guilherme Freitas. Os dois primeiros episódios da série foram apresentados pela Rádio USP no dia 31 de julho de 2019 (ouça aqui).
O programa USP Especiais vai ao ar às quartas-feiras, às 21 horas, com reapresentação aos sábados, às 20 horas, pela Rádio USP.

LUTE COMO UMA GAROTA

A imagem pode conter: texto

É CHOCOLATE

A imagem pode conter: texto

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

O menino que filmou o enterro de Luiz Gonzaga


Portal Vermelho - O que você fazia no dia 2 de agosto de 1989? Paulo Vanderley estava dormindo num quartinho, em João Pessoa, quando seu tio Marcos começou a bater na porta para lhe acordar: “Ó, teu pai ligou dizendo que Luiz Gonzaga faleceu. Prepara a mala que vocês vão voltar agora para Exu. Ele falou que ia passar em meia hora para pegar você!”, avisou.
O cantor e compositor Gonzaguinha, no velório de seu pai, Luiz Gonzaga, em agosto de 1989
Fazia só três dias que o menino de 9 anos estava na capital paraibana, onde ficaria nas férias escolares. Mas a reviravolta na história conduziu-o naquela data por 600 e poucos quilômetros de estrada rumo a uma despedida que ele recorda com detalhes até hoje.
O garoto morava perto da Igreja que receberia o corpo do artista, após o trajeto que faria entre Recife, Juazeiro do Norte e Crato. Filho do banqueiro Paulo Marconi – que havia se mudado com toda a família para a terra natal de Gonzaga no fim de 1987 e naturalmente se aproximado do Rei do Baião –, o menino não conseguia conter a agitação naqueles primeiros e tristes dias de agosto.
“Eu queria estar o tempo todo perto das coisas, ‘curiando’ os artistas que chegavam para o enterro”, lembra o paraibano Paulo. Residente em Fortaleza, hoje com 39 anos, é uma das principais referências como pesquisador da obra gonzagueana, além de funcionário de um banco.
O clima na cidade era de desolação, como descreveu o repórter Antônio Vicelmo em matéria para o Diário do Nordeste no dia seguinte à morte. “O comércio está fechado, e o prefeito declarou luto oficial por três dias. O restaurante no Posto Gonzagão não funcionou no dia de ontem. O Parque Asa Branca está sendo preparado para receber milhares de admiradores de Luiz Gonzaga, que já estão começando a chegar a Exu”.
A Paulo Vanderley também caberia mais do que observar toda esta situação. O pai lhe daria uma grande responsabilidade no dia do enterro, dia 4 de agosto de 1989: a de gravar, com uma filmadora Panasonic, o trajeto que o corpo faria até o cemitério. Caminhando por entre as milhares de pessoas que lotavam as ruas de Exu, o garoto fez imagens tremidas, amadoras, mas carregadas de um profundo sentimento de reverência e respeito ao ídolo.
Sob o sol de quase quatro horas da tarde, o menino registrou mais de uma hora do povo cantando e dançando os clássicos do Rei do Baião, das mãos carregando cartazes e coroas de flores, e das sanfonas chorando uma saudade que estava apenas começando. Da rua, ele também filmou o caminhão do corpo de bombeiros que carregava o caixão.
Em cima, iam o Padre Gothardo Lemos (cearense parceiro na composição de Obrigado, João Paulo, cantada por Luiz na ocasião da visita do Papa a Fortaleza, em 1980); a companheira de Gonzaga, Maria Edelzuíta Rabelo; o filho, Gonzaguinha, abraçado com um gibão; e o próprio pai de Paulo Vanderley, Paulo Marconi, “venerável mestre” da loja maçônica de Exu, que prestava homenagem ao colega em nome da congregação da qual ele fazia parte.
Das gravações do enterro, que mais tarde seriam editadas para compor o acervo do Museu do Gonzagão, Paulo só se ressente de não ter aparecido em nenhuma. Sua missão era ficar mesmo do outro lado. “Foi uma imersão que eu tive de nordestinidade naquele dia. Ali foi um momento que reuniu todas as tribos, de todos os cantos. Era violeiro, cantador, sanfoneiro, compositor, era todo tipo de gente”, recorda-se.
“Era uma devoção aquilo ali, impressionante. Eu sentia, mas não tinha ideia do que era, não tinha dimensão, não sabia que anos depois eu ia ser um cara que iria contar essa história, pesquisar”, ressalta.
No apartamento de Paulo, em Fortaleza, está guardado um acervo sobre Gonzagão. Na entrada, quadros e estandartes na parede, um tapete com os dizeres “Nordeste mulesta de bão” e a porta de madeira, semelhante às de interior, ajudam a criar um clima de casa-museu, que se completa com as prateleiras da sala de estar. Entre livros, LPs autografados, esculturas e réplicas de peças que o Rei do Baião usou, como chapéus e gibão, destaca-se a filmadora antiga, que registrou o enterro e outras cenas da época em Exu, como a ocasião em que Gonzaga de pijama recebeu Nando Cordel.
Quando criança, Paulo viu sua casa virar um abrigo temporário com peças enviadas por Gonzaguinha para compor o Museu do Gonzagão. Anos depois, seu apartamento cumpre papel semelhante, mas agora com itens diferentes, que ele mesmo adquiriu ao longo dos anos. O pesquisador criou um site sobre Gonzaga e a página Isto É Forró no Facebook. Prestou consultorias para o Museu Cais do Sertão, no Recife; o filme Gonzaga: De Pai para Filho, de Breno Silveira; e o enredo O Dia em que Toda a Realeza Desembarcou na Avenida para Coroar o Rei Luiz do Sertão, da escola de Samba Unidos da Tijuca, campeã do Carnaval carioca em 2012.
Frente a toda essa bagagem física e simbólica que guarda, restou-lhe uma conclusão. “Não tem divisão de classe quando se fala dele. Desde o assalariado, o desempregado ao cara mais rico da sociedade, todos se emocionam ao ouvir Luiz Gonzaga. É incrível como ele transita por todos os territórios, segmentos e todos os tipos de coração”.
Na fala emocionada de Paulo, ainda vive um garoto entusiasta do ídolo. E ele também reconhece em outras pessoas a eternidade de Luiz. “No brilho dos olhos daquele menino, o sanfoneiro Kayro, você vê Gonzaga. É impressionante, uma chama que nunca vai se apagar”. Essa história, aliás, já foi cantada há muito tempo. “O candeeiro se apagou, o sanfoneiro cochilou, a sanfona não parou e o forró continuou”. E continuará.
Com informações do Diário do Nordeste

terça-feira, 30 de julho de 2019

CACHOLA DO BOZO

Nenhuma descrição de foto disponível.

GÊMEOS?

The Supermãe: Almanaque comemora 50 anos da personagem de Ziraldo


Por Metro Jornal São Paulo - The Supermãe, personagem do cartunista Ziraldo, 86 anos, foi inspirada no cabresto materno dos amigos que o autor fez no Rio quando se mudou de São Paulo para lá estudar. As histórias de dona Clotildes e seu filho Carlinhos são relembradas agora em um almanaque comemorativo de 50 anos, organizado por Adriana Lins, sobrinha do artista.
A personagem foi um desdobramento da série “Os Zeróis”, na qual Ziraldo reinterpretava super-heróis americanos em situações mundanas. Entre maio de 1968 e dezembro de 1969, ela estreou nas tiras no Jornal do Brasil. Em 1970, as histórias migraram para a revista Claudia, onde ganharam cores e foram publicadas mensalmente até 1984.
Os dilemas e poderes da Supermãe envolvem super-proteção, super-carinho e super-atenção. Ziraldo exagera essas características, especialmente o super-ciúme, que leva Clotildes a rejeitar todas as pretendentes do filho.
O almanaque destaca rascunhos, trechos de reportagens e artigos inéditos que refletem sobre a personagem e as contribuições do cartunista às artes gráficas. A edição agrega, assim, conhecimento a um tipo de diversão leve, que nos faz rir das lembranças de nossas próprias figuras maternas.
“The Supermãe”
Ziraldo
Editora Melhoramentos
120 págs. R$ 12

domingo, 28 de julho de 2019

Escritor alemão participa da 3ª Festa Literária Internacional do Pelourinho

Premiado autor de romances que se desenrolam na Alemanha e na África do Sul, onde morou por muitos anos, o escritor alemão Max Annas está em Salvador como residente do Programa de Residência Artística Vila Sul do Goethe-Institut Salvador-Bahia e será atração da 3ª Festa Literária Internacional do Pelourinho (Flipelô). O evento, que acontece entre 7 e 11 de agosto, convida o romancista para o “Com a palavra, o escritor”, um bate-papo em que ele falará de sua trajetória artística e pesquisa para desenvolvimento de tramas fictícias sempre atreladas a contextos históricos reais. A conversa será mediada pelo também escritor baiano Moises Alves e acontecerá no dia 8 de agosto (quinta-feira), às 18h, no Museu Eugênio Teixeira Leal, com entrada gratuita.
Max Annas, que cresceu na Alemanha Ocidental, recebeu o “Prêmio Alemão de Romances Policiais” (Deutscher Krimipreis) pelos seus livros “A Fazenda” (Die Farm, 2014), “O Muro” (Die Mauer, 2016) e “Mata Escura” (Finsterwalde, 2019). “Comissão da Investigação de Assassinatos” (Morduntersuchungskomission, 2019), lançado neste mês de julho na Alemanha, terá trechos lidos em leitura cênica, em alemão e em português, durante o bate-papo.
“Comissão da Investigação de Assassinatos” é o primeiro grande romance policial que se desenrola na República Democrática Alemã (RDA). Em 1983, numa linha férrea perto da cidade Jena, é encontrado um cadáver de um jovem moçambicano. Tenente Otto Castorp, da Comissão de Investigação de Assassinatos, procura testemunhas e encontra o silêncio. Mas as evidências apontam para um crime racista. Quando isso não mais pode ser ignorado, as investigações são interrompidas por ordem superior. Só que Otto Castorp continua investigando por conta própria, e está sendo vigiado. Um livro eminentemente político baseado num caso histórico.
Sobre o Goethe-Institut Salvador-Bahia – Instituto cultural da República Federal da Alemanha, o Goethe-Institut, fundado em 1951, se dedica a fomentar o diálogo entre culturas e é a maior instituição de ensino de alemão no mundo. Atualmente, dispõe de uma rede de 159 unidades em 98 países de todos os continentes. A unidade do Goethe-Institut Salvador-Bahia foi criada em 1962 e, desde então, promove a aprendizagem da língua alemã, divulga uma imagem abrangente da Alemanha e realiza colaborações locais, nacionais e internacionais na área da cultura, com numerosos parceiros públicos e privados. É um espaço disposto ao exercício artístico-cultural, realizando ações próprias e oferecendo suporte a iniciativas de variadas espécies. Dispõe de teatro, foyer, galerias, biblioteca, ateliês, estúdios, salas de aulas, praças, pátio e café. Após mais de meio século de atividades contínuas na cidade, iniciou, em 2016, o Programa de Residência Artística Vila Sul, com a proposta de fortalecer interlocuções entre o Brasil e demais países do hemisfério Sul a partir do acolhimento de artistas e agentes culturais de diversas áreas, linguagens e origens. Mais de 70 residentes já experimentaram esta oportunidade.

Flipelô apresenta “Com a palavra, o escritor”
Com: Max Annas (Alemanha)
Mediação: Moises Alves
Quando: 8 de agosto de 2019 (quinta-feira), 18h
Onde: Museu Eugênio Teixeira Leal
Quanto: Gratuito
Apoio: Goethe-Institut Salvador-Bahia

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Brasil dá passos importantes na concessão de marcas e patentes

Ilustração OpenClipart-Vectors e Clker-Free-Vector-Images via Pixabay
O Brasil deu dois passos importantes para se igualar aos principais países do mundo quando o assunto é propriedade intelectual. A primeira medida é a criação do Plano Nacional de Backlog de Patentes. Backlog é o número de pedido de patentes para análise, que hoje chega a 160 mil. A meta é reduzir 80% desse volume, até 2021, desburocratizando procedimentos.
Outra medida anunciada foi a adesão ao Protocolo de Madri, tratado internacional que reduz custo e facilita registro de marcas de empresas brasileiras em outros países e que estava parado na Câmara dos Deputados há 16 anos.
O acordo é administrado pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Ompi) e, no Brasil, fica sob a responsabilidade do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi). Passa a vigorar a partir de outubro.
Os reflexos positivos dessas duas medidas serão sentidos inclusive na produção científica das universidades, como analisa Flávia Prado Vicentin, diretora do Polo Ribeirão Preto da Agência USP de Inovação.
Para ela, essas medidas são importantes porque vão reduzir custos, desburocratizar procedimentos e diminuir consideravelmente o tempo de concessão de patentes e de registro de marcas. Mas lembra que é preciso uma ampla política pública para a propriedade intelectual. Ouça a entrevista no link acima.
Por Ferraz Jr - Editorias: AtualidadesRádio USP - URL Curta: jornal.usp.br/?p=259377

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Quem nasce em Salvador é “soteropolitano”. Você sabe por quê?

Nem todo baiano sabe porque ele é soteropolitano e não salvadorenho. Para começar, “salvadorenho” já foi adotado pelos nativos de São Salvador, capital da República de El Salvador, logo alí na América Central. Portanto, não ficaria bem usar a mesma palavra, embora alguns baianos usem o quase esquecido “salvadorense”.
A Capital da Bahia também tem o mesmo nome da capital salvadorenha: São Salvador, mas, até mesmo os baianos dispensam o “são”.
Vamos então partir para a palavra chave: “Soteropolitano” que refere-se a “Soterópolis”, ou seja, uma “helenização” do nome da capital do Estado da Bahia. Mas o que é “helenização”? Os helenos deram origem ao povo grego.
Agora que entramos na primeira parte, podemos concluir que a versão “grega” de Salvador se transforma em “Soterópolis”, que tem a raiz no grego SOTERIA (σωτηρία).
SOTERIA (σωτηρία) significa SALVAÇÃO, ou, no caso da capital Baiana, cidade de SALVADOR. Daí a criatividade baiana se superou! Veja: SOTERIA (SALVADOR) + POLIS (também do grego CIDADE) tomou a forma SOTEROPOLITANO. Entendeu, bichin?

INTERCEPTADO

A imagem pode conter: texto

EMBAIXADOR

Nenhuma descrição de foto disponível.

O CUSCUZ, ACARAJÉ, CARNE DO SOL... TUDO NOSSO - VIVA O NORDESTE BRASILEIRO!!!

Nenhuma descrição de foto disponível.

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Hacker divulga foto sensual da deputada Joice Hasselmann

A Polícia Federal informou nesta quarta-feira, 24, que vai investigar a suposta invasão de hackers no aparelho celular da deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP). A parlamentar disse que teve seu telefone celular clonado na madrugada de domingo, 21. 
O ministro Sérgio Moro achou um absurdo a divulgação das as imagens sensuais da deputada que estão circulando nas redes que provavelmente foram vazadas por um grupo de hackers iranianos.
"Foi pura vingança porque a Petrobras passou a recusar abastecimento de navios iranianos nos portos brasileiros". Falou o ministro Sérgio Moro com sua voz de marreco.
A deputada se pronunciou hoje, e, segundo ela, existem fotos mais bonitas tratadas com Photoshop, "mas o malditos comunistas no oriente médio são filiados ao PT e estão fazendo de tudo para impedir nossa atuação parlamentar em defesa das famílias, da moral e bons costumes e dos cidadão de bem com deus no coração". Finalizou aos gritos a deputada.

terça-feira, 23 de julho de 2019

FILOSOFIA. VAMOS FALAR DO CÍNICO?

Um adjetivo que ninguém aceita para si, mas quando alguém é taxado pelos demais como CÍNICO, poderia se dizer que o tal é repleto de fingimento; desfaçatez. Que se opõe às normas sociais e às conveniências morais. Que tende a se comportar de maneira imoral ou escandalosa; desavergonhada.
Mas a caraterística do cínico de hoje como falha de caráter tem uma origem na filosofia e cultura grega.
Etimologicamente falando, a vocábulo CÍNICO tem sua raíz no grego κυνικός, traduzido como “Kynicos”, que significa “canino”.
Os cínicos eram chamados de cães pelo fato de que Antístenes de Atenas transmitia seus ensinamentos no ginásio de Cynosarges que pode ser traduzido como “cão branco”, “alimento de cão” ou até mesmo “cão rápido”. Além destes fatores etimológicos, o próprio comportamento dos cínicos era semelhante ao de um cachorro, uma vez que estes filósofos rejeitavam as convenções sociais e procuravam viver da maneira mais espontânea possível, conforme fazem os cães.
Em resumo, chamar alguém de cínico seria em tese xingar de cachorro. Mas para os gregos era até um elogio.
DIÓGENES, O MAIOR DOS CÍNICOS. ( 404 ou 412 a.C)
Diógenes, quando pleiteou seu ingresso na escola de Antístenes, foi simplesmente recusado e insultado por aquele mestre que ele tanto admirava. Continuou insistindo, perdoou os insultos, e conseguiu ser admitido, finalmente, e em compensação fez a doutrina cínica conhecida e popular em toda a Hélade.
Diógenes era um rico banqueiro na cidade de Sínope, chegou à falência e, “cinicamente”, resolveu cunhar sua própria moeda e a justiça o condenou a perder o que restava de seus bens, deixando-o no meio de uma praça onde recebia diariamente uma porção de pão necessário para subsistência, oportunamente viveu como um cão e dormia numa espécie de barril.
Alí despertava curiosidade e sua fama atraia pessoas de todas partes para receber conselhos, pois trava-se de um homem muito sábio que aceitou a sua condição e fez disso uma “filosofia de vida”, convenhamos.
Não se pode negar que correntes da própria igreja católica ao adotar o “voto de pobreza” tenha por base esse princípio filosófico.
DIÓGENES E ALEXANDRE
Conta-se que certa vez Alexandre, o Grande, da Macedônia, ao andar pelas ruas de Corinto, atraído pela sua fama, se postou diante dele no momento em que tomava seu banho de sol. Ao lhe dizer o Rei “Eu sou Alexandre, o Rei”, Diógenes lhe retrucou: “Eu sou Diógenes, o Cão”. Alexandre, impassível, continuou: pede o que quiseres que imediatamente to concederei e imediatamente Diógenes lhe disse: “Devolve-me aquilo que não podes dar, o sol que estás encobrindo”. Alexandre ainda lhe teria dito: “Se eu não fosse Alexandre, o Rei, quereria ser Diógenes”.

segunda-feira, 22 de julho de 2019

ANFITRIÃO. não é piada. rsrsrsrs

Costumo a ficar desconfiado de certos termos usados com frequência e meu empreendimento é procurar a etimologia e suas raízes. 
Um exemplo clássico é anfitrião, que vem do Grego AMPHITRYON, e realmente tem um lindo significado: “aquele que recebe ou que é recebido”, ou “aquele que fica feliz em recepcionar”. Resumindo, o teor da palavra nos remete àquele que recebe pessoas para eventos ou festas em sua própria CASA (atenção especial para essa parte). Também pode ser aquela pessoa que demonstra interesse em pagar ou paga os gastos de um jantar, banquete, festa etc.
ANFITRIÃO (ou AMPHITRYON) tem base num personagem da mitologia grega.
Anfitrião era marido de Alcmena uma mulher muito, mas muito formosa. Como todo marido que desejava orgulhar sua família, Anfitrião, um guerreiro lutava na guerra de Tebas e deixava sua amada suspirando o seu retorno, de preferência ileso, sem ferimentos e contando a saga de suas grandes pelejas. Mas Anfitrião costumava a demorar em suas missões.
O próprio Zeus que era a maior divindade segundo os gregos, aproveitando-se das longas ausências de Anfitrião tomou a forma dele, e como um clone perfeito procurou deitar-se com Alcmena. Um certo puxa-saco chamado Hermes tomou a forma do escravo de confiança de nome Sósia, para montar guarda no portão.
Logo veio a gravidez de Alcmena, uma grande confusão foi criada, pois evidentemente, Anfitrião duvidou da fidelidade da esposa.
Zeus se apresentou e esclareceu em detalhes o ocorrido.
Anfitrião ficou zangado, enraivecido, com vontade de se matar? Coisa nenhuma!!! Ficou contente, feliz, orgulhoso. Afinal, era marido de uma mulher escolhida de um deus.
Naquela mesma noite nasceu o semideus Hércules.
A partir daí, o termo anfitrião passou a ter o sentido de "aquele que recebe em casa".
No Brasil o uso da palavra ANFITRIÃO é algo totalmente normal com um significado singelo. Mas se falarmos que "o Brasil é o país anfitrião", em inglês não conseguiria traduzir ao pé da letra e diriam simplesmente “the host country”. Fica a dica.
Marcos Mauricio

Mais de 80 anos de 'Príncipe Valente' são reeditados em coleção em capa dura


Por Metro Jornal - HQ clássica de Hal Foster ganha nova edição - Reprodução - O canadense Hal Foster (1892-1982) entrou para a história dos quadrinhos ao apresentar um traço realista e detalhado e, ao mesmo tempo, inaugurar uma forma mais adulta de se consumir esse tipo de produto. Tudo isso aconteceu com “Príncipe Valente”, publicado ininterruptamente desde sua estreia, em 1937.
São mais de 80 anos de tiras, apresentadas agora em uma coleção que reúne as histórias do personagem ano a ano e que pode ser assinada ou comprada diretamente nas bancas. “Príncipe Valente” representou uma evolução na carreira de Foster, que vinha da ilustração publicitária.
Ele havia obtido grande sucesso ao adaptar para os quadrinhos as histórias de Tarzan, escritas por Edgar Rice Burroughs, voltadas para o público infantojuvenil. O artista, no entanto, criticava a superficialidade dos roteiros, o que o fez caprichar na pesquisa de “Príncipe Valente”, inspirado nos romances medievais de cavalaria.
Obra destaca riqueza de detalhes até para coadjuvantes / Reprodução

Foram dois anos até Foster chegar à história do príncipe que, após uma derrota sofrida pelo pai, cresce longe do reino que lhe é de direito, mas cultiva valores como bravura, coragem e bondade.
O artista capricha nos detalhes de época, que vão desde o vestuário à arquitetura. As cenas de batalha requerem atenção à parte: mesmo em quadros de tamanho reduzido, cada personagem é tracejado com a mesma atenção dada ao protagonista. Outra novidade está na ausência de balões. Como na literatura de cordel, os quadros recebem legendas que descrevem a ação, aproximando a obra da prosa.
Apesar de ambientar a história nos míticos tempos do Rei Arthur, o que abre margem para aventuras épicas, o que se sobressai de “Príncipe Valente” é a humanidade do protagonista e a forma como ele lida com as situações que encontra pela frente. Ele é pintado muito mais fortemente como homem do que herói, e essa característica também influenciaria a forma como os superpoderosos das HQs seriam retratados décadas depois.

sábado, 20 de julho de 2019

FILOSOFIA. VAMOS FALAR DO CÍNICO?

Um adjetivo que ninguém aceita para si, mas quando alguém é taxado pelos demais como CÍNICO, poderia se dizer que o tal é repleto de fingimento; desfaçatez. Que se opõe às normas sociais e às conveniências morais. Que tende a se comportar de maneira imoral ou escandalosa; desavergonhada.
Mas a caraterística do cínico de hoje como falha de caráter tem uma origem na filosofia e cultura grega.
Etimologicamente falando, a vocábulo CÍNICO tem sua raíz no grego κυνικός, traduzido como “Kynicos”, que significa “canino”.
Os cínicos eram chamados de cães pelo fato de que Antístenes de Atenas transmitia seus ensinamentos no ginásio de Cynosarges que pode ser traduzido como “cão branco”, “alimento de cão” ou até mesmo “cão rápido”. Além destes fatores etimológicos, o próprio comportamento dos cínicos era semelhante ao de um cachorro, uma vez que estes filósofos rejeitavam as convenções sociais e procuravam viver da maneira mais espontânea possível, conforme fazem os cães.
Em resumo, chamar alguém de cínico seria em tese xingar de cachorro. Mas para os gregos era até um elogio.

DIÓGENES, O MAIOR DOS CÍNICOS. ( 404 ou 412 a.C)
Diógenes, quando pleiteou seu ingresso na escola de Antístenes, foi simplesmente recusado e insultado por aquele mestre que ele tanto admirava. Continuou insistindo, perdoou os insultos, e conseguiu ser admitido, finalmente, e em compensação fez a doutrina cínica conhecida e popular em toda a Hélade.
Diógenes era um rico banqueiro na cidade de Sínope, chegou à falência e, “cinicamente”, resolveu cunhar sua própria moeda e a justiça o condenou a perder o que restava de seus bens, deixando-o no meio de uma praça onde recebia diariamente uma porção de pão necessário para subsistência, oportunamente viveu como um cão e dormia numa espécie de barril.
Alí despertava curiosidade e sua fama atraia pessoas de todas partes para receber conselhos, pois trava-se de um homem muito sábio que aceitou a sua condição e fez disso uma “filosofia de vida”, convenhamos.
Não se pode negar que correntes da própria igreja católica ao adotar o “voto de pobreza” tenha por base esse princípio filosófico.

DIÓGENES E ALEXANDRE
Conta-se que certa vez Alexandre, o Grande, da Macedônia, ao andar pelas ruas de Corinto, atraído pela sua fama, se postou diante dele no momento em que tomava seu banho de sol. Ao lhe dizer o Rei “Eu sou Alexandre, o Rei”, Diógenes lhe retrucou: “Eu sou Diógenes, o Cão”. Alexandre, impassível, continuou: pede o que quiseres que imediatamente to concederei e imediatamente Diógenes lhe disse: “Devolve-me aquilo que não podes dar, o sol que estás encobrindo”. Alexandre ainda lhe teria dito: “Se eu não fosse Alexandre, o Rei, quereria ser Diógenes”.
www.marcosmauricio.blogspot.com

sexta-feira, 19 de julho de 2019

APELO URGENTE: minha irmã precisa de uma vaga para operar no Hospital SARAH (BA)


Camile Paiva fez esta petição pedindo uma resposta de Ministério da Saúde, (SIC) - Ministério da Saúde, Departamento de Ouvidoria Geral do SUS, Gilberto Magalhães Occhi, ministro da Saúde, Hospital SARAH - Salvador, Secretaria Municipal de Saúde - Natal – já são 227.209 assinaturas
Me chamo Camile Paiva, estou criando esse abaixo-assinado pela minha irmã caçula, ela tem 10 anos e desde pequena sofre com uma deficiência em uma das pernas. Por conta do problema, ela caminha com dificuldades e sofre muito com sua aparência.
A deficiência fez com que uma das pernas de minha irmã não se desenvolvesse por completo, sendo menor do que a outra. Na escola, o bullying frequente fez com que sua autoestima fosse abalada a um ponto que prejudicou seu aprendizado, por muitas vezes ela chegou em casa chorando e dizendo que não queria mais voltar a estudar.
Desde cedo minha mãe lutou para conseguir um tratamento de qualidade pelo SUS, sofremos e passamos por situações difíceis e médicos que não conseguiram ajudar ou não deram devida atenção. Tudo mudou quando minha mãe encontrou um médico que abraçou o caso e conseguiu agendar uma cirurgia para ela em São Paulo. Tudo estava encaminhado, porém, recebemos uma ligação dizendo que a cirurgia será realizada na Bahia.
Já temos o encaminhamento do SUS, estamos aguardando a vaga para internação no Hospital SARAH, em Salvador. O objetivo agora é garantir a vaga de minha irmã o mais rápido possível, para que ela consiga brincar e viver uma vida normal.
Assine agora com um único clique

quinta-feira, 18 de julho de 2019

Inquérito do caso Adélio desconstrói fake news sobre facada em Bolsonaro, diz delegado


FERNANDA CANOFRE Folhapress - Delegado do caso Adélio diz que investigação está desconstruindo fake news.
Passados dez meses desde que Adélio Bispo desferiu uma facada no então candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), a Polícia Federal tem direcionado esforços para investigar se ele agiu sozinho.
Até agora, segundo Rodrigo Morais, delegado responsável pelo caso, não há indicativo de que outras pessoas estejam envolvidas.
"Na verdade, a gente tem desconstruído muitas fake news que apontam participação de outras pessoas. Temos demonstrado, através de perícia e outras diligências policiais, que muitas não procedem", afirma.

FOFÃO SE IRRITA COM FACE APP E PROMETE ENTRAR NA JUSTIÇA


Após internautas utilizarem o aplicativo FaceAPP que envelhece consideravelmente as pessoas com a foto do personagem Fofão (na geladeira da Globo), a vítima ficou visivelmente irritada por conta da sua nova aparência lembrar a ministra Damares, conhecida por falar maluquices no momentos de escândalo do governo para evitar a queda do patrão frente á opinião pública.
Em recente aparição, Fofão prometeu procurara a justiça com intuito de exigir indenização por conta dos danos morais. 'É um absurdo associar minha imagem que sempre trouxe alegrias com uma pessoa que passa o tempo falando besteiras". Falou em entrevista.
Fofão caiu em decadência em pleno auge da carreira na década de 80 após surgirem boatos que seus bonecos possuíam objetos de magia negra escondido. Na época, a fofoca gerou uma grande confusão e pais começaram a destruir os brinquedos e proibirem as crianças de assistirem os programas de televisão onde aparecia Fofão.

domingo, 14 de julho de 2019

BOLSONARO ESCOLHE DEP. HÉLIO NEGÃO EMBAIXADOR DA ALEMANHA

Após polêmica indicando o próprio filho Eduardo Bolsonaro para a diplomacia americana, o presidente da república Jair Bolsonaro decidiu escolher o dep. e companheiro de viagens Hélio Negão para embaixador na Alemanha. Segundo o presidente, "no tocante a questão das embaixadas, a minha escolha se deu pelas qualidades que eles reúnem. Dudu, meu garoto, morou nos EUA e chegou ao cargo de chapeiro numa famosa lanchonete, já o Hélio Negão tem sido um amigo muito intimo e sabe assar salsichão como um verdadeiro Chef. Agora resta apenas escolher meu embaixador no Japão". Concluiu o presidente diante de fãs apaixonados.

terça-feira, 9 de julho de 2019

DIVULGADAS IMAGENS DE MORO, CASO ELE SUMA COMO O QUEIROZ

Já foram divulgados entre internautas as imagens de possíveis disfarces do ministro e ex-juiz Sergio Moro. A antecipação das imagens é justamente por reações já esperadas do ex-candidato à vaga no STF que está sofrendo forte pressão com a divulgação dos audios, videos  textos comprometedores quando, então juiz em Curitiba combinava as ações e orientava o promotor e amigo Dallagnol para se chegar ao esperado veredito de prisões na midiática operação Lava Jato, apelidado pelo site Intercpt com o sugestivo Vaza Jato. Mas quem não pode "vazar" é o ministro Sérgio Moro, portanto as imagens dentre outras já estão sendo pregadas nos postes.