segunda-feira, 31 de outubro de 2022

Festival Literário de Serra Grande (FLISG) - Identidade e Memória aliadas no fomento à leitura e à escrita.

A primeira edição do Festival Literário de Serra Grande (FLISG), que tem como tema Identidade e Memória, primeiro evento do município de Uruçuca (BA), acontecerá de 03 a 06 de novembro no distrito de Serra Grande, distante a 420 km de Salvador, no sul da Bahia. Na missão de conectar pessoas, compartilhar conhecimentos e reflexões, a FLISG, promoverá mesas de debates, lançamentos de livros, bate papo com escritores, oficinas criativas, feira e comercialização de livros, além de shows musicais. A primeira edição homenageia o médico e escritor uruçuquense, Ronaldo Vasconcelos Farias, por sua obra e legado, além de contar na programação com a participação de escritores como Igor Rossoni, Matuto, Ludmila Bertié, Marcelo Dias, Elisa Oliveira, Pawlo Cidade, Luh Poesia, Ruy Póvoas, Dona Regina, Rodrigo Melo, Ana Mateoli, Joaquim Pedro, Mameto Kafurengá, Tata Kambomdo, Makota Matamba Tombenci, Mestra Lainha, Samuel Mattos, Fabrício Brandão, Carlos Kahê, Domingos Ailton, Mariana Souza, entre outros nomes da cena literária. Entre as atrações musicais estão o grupo paulista África Viva (SP), Dilazenze, Circo da Lua, Ligia Callaz, Revelação da Serra Orquestra Gongombira de Percussão, Maracatu Estrela de Serra, entre outros artistas. Com a proposta de apresentar um pouco mais da força da palavra expressa nos cantos e dizeres dos saberes transmitidos da cultura popular com seus sons, versos, prosas e ritmos, a FLISG pretende despertar de maneira lúdica nas crianças, jovens e adultos o interesse pelo ato de ler e de compartilhar livros e, sobretudo, instigar a formação de uma rede de leitores e de prática de escrita na Vila de Serra Grande e em Uruçuca. O Festival Literário de Serra Grande se deu por conta de uma iniciativa de construção através de um financiamento coletivo, Vakinha e do patrocínio da Prefeitura Municipal de Uruçuca, Instituto Nova Era, Instituto Arapyaú, Tabôa – Fortalecimento Comunitário, Loteamento Uiraporan, além de parcerias e do apoio de instituições e da rede comercial local de Serra Grande.

ELES TENTARAM NOS ENTERRAR


 

quinta-feira, 27 de outubro de 2022

TUMULTO


 

Semana do Livro e da Biblioteca Uesc


Nesta terça-feira, dia 25, às 9 horas, tiveram início as atividades da Semana do Livro e da Biblioteca na Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). A comemoração é nacional, estabelecida pelo Decreto nº 84.631/1980, em menção ao Dia Nacional do Livro, 29 de outubro. A Uesc celebra a data com a 5ª Campanha de Preservação e Conservação do Acervo. A programação, que vai até o dia 27 de outubro, visa conscientizar a preservação e conservação do acervo, incentivar a leitura e a construção do conhecimento por meio da divulgação do livro e do acesso às diversas fontes de informação. O evento inclui minicursos, oficinas, contação de histórias, apresentações artísticas e culturais, feira de livros, exposições de recursos informacionais de multimídias e dos livros danificados. Na abertura, a diretora da Biblioteca, Silvana Reis Cerqueira, falou sobre a aderência da Uesc à campanha nacional e expôs a proposta do evento realizado pela Biblioteca Central e agradeceu a participação de todos os presentes e, especialmente, ao apoio da equipe de trabalho. A diretora trouxe ainda alguns dados quantitativos referentes às perdas patrimoniais da Biblioteca, que já chegou a 15 mil livros em um só ano, e destacou a importância de iniciativas como esta para a redução desses índices. Por sua vez, o pró-reitor de Extensão, professor Neurivaldo José de Guzzi Filho, se referiu à biblioteca “como um espaço de paz, encontros e desenvolvimento”. Durante a solenidade de abertura também foi realizada uma exposição de diversos itens do acervo danificados, com um breve histórico de cada um, a fim de promover conscientização quanto à necessidade da preservação. Além disso, foi exibido um vídeo produzido pela Assessoria de Comunicação (Ascom), especificamente para o evento, com dicas práticas para a conservação dos livros no cotidiano e realizada uma apresentação musical. A programação completa e outras informações sobre o evento podem ser obtidas no site da Universidade.

quarta-feira, 26 de outubro de 2022

ZIRALDO 90 ANOS


 

HIPOCRISIA

 

Lisdeili Nobre - Granadas e balas de fuzil, esta guerra é de apenas um homem

Já não sabemos mais onde o ódio transvertido de devaneios poderá chegar, mas algo é certo, o Brasil parou, estacionou em narrativas que já nos adaptamos ao seu script: de manhã o Presidente da República ou um de seus arraigados apoiadores dizem, ou fazem alguma atrocidade e a noite negam, contradizem, desmentem o que fizeram ou falaram, sob um manto de vitimização. O propósito é único e simples, chocar, escandalizar para manter um público fiel, sejam os que se identificam com o desprezível ou que são contrários com toda esta loucura. O importante é a fidelidade, seja como for. É somente esta fidelidade que eles querem, ou melhor, engajamento, audiência. Para isto, vale tudo, vale até lançar granadas e tiros de fuzil. Estamos vivendo isto há quatro anos e estamos cansados e enquanto isto, não há políticas públicas coerentes e com potencialidade e eficácia para mudar realidades na educação, saúde, meio ambiente, economia e segurança pública. Viramos vítimas de narrativas, as quais persuadem milhões de seguidores que se identificam com uma luta camuflada de diversos de “moralismos”, mas inócua e que não favorece em nada o povo brasileiro. Basta ver o que atual tem Presidente tem como principal proposta de campanha nesta eleição, um benefício reformado de auxílio à assistência social, o que é voltado as pessoas desamparadas. Eu explico, porque é pouco. Se a ênfase é o socorro apenas a desemparados e necessitados, equivale dizer que seu governo está sendo inapto em capacitar seu povo para uma independência financeira, ou seja, é um governo sem projetos sociais. Enquanto chove granadas de ódio, neste instante estamos com milhares de crianças fora da escola, resultado de uma evasão escolar do período da pandemia, assim como estamos com milhares de pessoas na fila da regulação que não alcançarão o atendimento médico e infelizmente poderão morrer, assim como estamos diante de milhares de pessoas passando fome, porque perderam seus empregos na pandemia e não conseguem trabalho, nem mesmo na informalidade. Estamos em uma guerra com direito ofensas escabrosas, como a uma ministra do Supremo Tribunal Federal, chamando-a de “prostituta arrombada”, arremesso de granadas e tiros de fuzil contra policiais federais que saíram de sua casa para trabalhar. Em uma guerra que o Presidente da República notoriamente interfere na Polícia Federal para proteção interesses pessoais e familiares. Esta guerra não é para a construção de políticas públicas que irão mudar a face de sociedade carente de igualdade social. Não é mesmo, esta guerra de narrativas cruas, torpes, egoístas e sádicas, que banaliza o mal e a violência, contra mulheres, jornalistas e pretos, estão apenas procurando engajadores de redes sociais que alimentam uma ideologia cega com requintes fascistas. Os alvejados desta guerra, são todos nós, brasileiras e brasileiras, nos tornando mais pobres a cada dia e distantes de uma sociedade livre, justa e solidária. Estas granadas de ignorância, imbecialidade não reduzem as desigualdades sociais e muito menos promovem o bem-estar de todos e todas. Estamos cansados e esperamos que na próxima segunda-feira o Brasil consiga reverter o curso de um governo frívolo, volúvel e impiedoso. Esta guerra de granadas e balas de fuzil não pertence ao povo Brasileiro, pertence a apenas um homem, Jair Messias Bolsonaro.
Lisdeili Maria Nobre - Doutoranda em Políticas Sociais e Cidadania, Delegada de Polícia Civil, Docente do Curso de Direito na Rede UNIFTC, Cronista de diversos Blogs, Ativista social em projetos de Políticas Criminais de Prevenção Primária e sustentabilidade ambiental.

segunda-feira, 24 de outubro de 2022

SALÃO DE HUMOR DE VOLTA REDONDA


 

ILUSTRANDO CRÔNICA

Em dias chuvosos no sul da Bahia, a inspiração para escrever, resgatar a história da região cacaueira. Breve a publicação. Por enquanto o esboço em lápis HB 6 da Faber Castell sobre papel Vergê 300. Marcos Mauricio, em outubro de 2022. 

 

BTCA TRÁS "VIRAMUNDO" EM HOMENAGEM AOS 80 ANOS DE GILBERTO GIL

O Balé Teatro Castro Alves (BTCA) volta a cartaz com o espetáculo “Viramundo”, que celebra os 80 anos de Gilberto Gil. Inspirado pela riqueza da obra deste imortal baiano, a companhia oficial de dança da Bahia, sob direção e criação coreográfica de Duda Maia, se une à Orquestra Afrosinfônica, regida pelo maestro Ubiratan Marques, para colocar no palco uma montagem de beleza em dança e música. Serão duas novas apresentações, nos dias 28 e 29 de outubro (sexta e sábado), às 20h, na Sala Principal do Teatro Castro Alves (TCA), que mantém o corpo artístico juntamente com a Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) e Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). Ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), à venda na bilheteria do TCA ou pela plataforma Sympla. Todo o elenco do BTCA está em cena, ressoando as danças que Gilberto Gil, em sua figura e em sua produção, desperta em seus corpos. Um roteiro musical dançado – ou um roteiro de dança musicada – nasce do acordo criativo entre Duda e Ubiratan. Na conexão entre ancestralidade e futuro, raízes e profecias, sertão e litoral, ecologias e tecnologias, despontam a diversidade, a atemporalidade, a generosidade. Com e na diferença, evidenciando os potenciais de artistas da dança de gerações, formações e experiências variadas, um olhar democrático de criação evoca a autenticidade e a espontaneidade do movimento. Acolhimento que se reflete em pertencimento, beleza, abraços, muitos abraços. Gilberto Gil é vida e festejo num palco onde todos e todas se divertem. Dança que quer ser Gil. Música que não existe sem Gil. Idealizadora do projeto, Ana Paula Bouzas, diretora artística do BTCA, descreve: “Penso que para o BTCA, um corpo público representativo das artes, da dança na Bahia, com uma história de excelência em 41 anos, ter a obra de um artista da magnitude de Gilberto Gil como inspiração é um presente. É poder celebrar em vida um brasileiro da dimensão humana, artística e política de Gil num país que vem demonstrando a cada dia a necessidade pungente de afirmar a verdadeira história de sua construção sociocultural e o que somos a partir disso. O Brasil de Gil é um Brasil de fundamento, horizontal e profundamente gigante, democrático, sertanejo e urbano, ancestral e futurista”. Ana Paula também afirma que é isto que ela vê como um dos propósitos de um corpo artístico público: “Ao levarmos à cena a imensa riqueza da produção de Gil através de outras linguagens, e tudo o que ela é capaz de gerar e ecoar nos corpos envolvidos, nós dizemos mais uma vez do poder da arte, do que ela inspira, transforma e revoluciona”, detalha. No elenco de intérpretes-criadores, estão Adriana Bamberg, Agnaldo Fonsêca, Ângela Bandeira, Cristian Rebouças, Dayana Brito, Dina Tourinho, Douglas Amaral, Evandro Macedo, Fátima Berenguer, Fernanda Santana, Gilmar Sampaio, Jai Bispo, Joely Pereira, Konstanze Mello, Lílian Pereira, Luís Molina, Luíza Meireles, Maria Ângela Tochilovsky, Mirela França, Mônica Nascimento, Paullo Fonseca, Renivaldo Nascimento (Flexa II), Rosa Barreto, Ruan Wills e Solange Lucatelli. Completando a ficha técnica, Renata Mota assina a cenografia, Adriana Ortiz está na iluminação, Hisan Silva e Pedro Batalha, dupla dirigente da marca Dendezeiro, criaram o figurino e o Centro Técnico do TCA assumiu as soluções de cenotecnia. Anna Paula Drehmer e Ticiana Garrido, membros do BTCA, são assistentes de coreografia e Marcelo Jardim é preparador vocal convidado.

domingo, 23 de outubro de 2022

LIBERDADE DE EXPRESSÃO - SQN


 

Exposição do MAM-Bahia resgata o MUSEU de ARTE POPULAR de Lina Bo Bardi

Continua até dezembro/2022, a exposição ‘Reminiscências Museu de Arte Popular’ no Museu de Arte Moderna (MAM-Bahia). Depois de 60 anos a Secretaria de Cultura do Estado e o IPAC/Dimus, através do MAM, como uma ação de redemocratização e compromisso histórico, voltam a salvaguardar e expor a ‘Coleção de Arte Popular Lina Boa Bardi’ no seu local de origem, o Solar do Unhão. Formada por cerca de 1.000 peças de arte popular nordestina coletadas desde o final da década de 1950 e início dos anos 1960, é integrada por carrancas da proa de barcaças do Rio São Francisco, ex-votos, imaginária, esculturas em cerâmica representando animais e figuras humanas, fifós/candeeiros, panelas, potes de barro, brinquedos, utensílios domésticos e objetos de uso diário criados a partir de materiais recicláveis. A exposição tem acesso gratuito e estará aberta de terça-feira a domingo, sempre das 13h às 17h. BIENAL e NORDESTE no UNHÃO – A coleção tem o nome em homenagem a arquiteta e designer ítalo-brasileira, também primeira diretora do MAM (1959-1964), Lina Bo Bardi (1914–1992), pois foi ela que deu continuidade ao acervo de arte popular iniciado pelo cenógrafo e diretor de teatro pernambucano, Martim Gonçalves (1919–1973) que implantava a pioneira Escola de Teatro da UFBA. A partir da amizade e afinidade entre os dois foram viabilizadas duas mostras com essas peças: 'Exposição Bahia' de Arte Popular Nordestina na 5ª Bienal Internacional de São Paulo (1959); e a exposição 'Nordeste' no Solar do Unhão (1963). Foi também Lina Bo Bardi que concebeu e coordenou as obras de restauro do complexo arquitetônico-histórico do Solar do Unhão, originário do século XVII e tombado como Patrimônio do Brasil em 1943. Desde o início, Lina planejou criar dois museus no Unhão: o de Arte Popular e o de Arte Moderna, incluindo um Centro de Estudos e Trabalhos Artesanais (CETA) como uma escola produtiva de arte e design que unia o saber popular ao acadêmico. Impedida e pressionada pelo Golpe Militar em 1964, Lina foi obrigada a abandonar as suas ideias inovadoras e à frente do seu tempo. ESPAÇO LINA BO BARDI – A abertura da exposição ‘Reminiscências Museu de Arte Popular’ marca o resgate do Museu de Arte Popular (MAP) no MAM-Bahia, como um ato de redemocratização em relação à ditadura militar e reafirma o complexo educacional-museológico da proposta inicial de Lina Bo Bardi para o Unhão. “O MAM hoje detém o Espaço Lina Bo Bardi, composto pela sala da exposição ‘Reminiscências’, outra sala para pesquisas e a grande sala das Oficinas do MAM para práticas educativas e de formação, e isso é o reinício do MAP”, explica o diretor do MAM-Bahia, Pola Ribeiro. O curador do MAM, Daniel Rangel, ressalta que a atitude da Secult/IPAC/Dimus/MAM mostra o entendimento e a pertinência simbólica do gesto do resgate histórico do MAP, tornando o sonho uma realidade. “A retomada do projeto ‘utópico’ de reservar um espaço permanente para o MAP e a arte do povo no MAM, colocando essa coleção de Arte Popular em diálogo constante com a produção moderna e contemporânea do museu, se tornou aqui uma missão poética e política”, revela Daniel. Como a ‘Coleção de Arte Popular Lina Bo Bardi’ é muito extensa com cerca de 1.000 peças, novas exposições serão montadas depois da ‘Reminiscências Museu de Arte Popular’. Mais informações sobre o museu via telefones (71) 31176132 e 31176139 (segunda a sexta, 9h às 12h e 13h às 15h). Acesse o instagram @bahiamam e site www.mam.ba.gov.br. Fotos: Geraldo Moniz

sábado, 22 de outubro de 2022

V Paisagem Sonora abre inscrições para curso gratuito sobre direitos autorais

Agendado para os dias 17, 18 e 19 de novembro, na cidade de Santo Amaro, no Recôncavo da Bahia, o “Festival Paisagem Sonora – Formação, Gestão e Difusão da Música” abre inscrições para o curso gratuito “Pra quem quer viver de arte: direitos autorais na prática”, que será ministrado pela advogada Verônica Aquino, especialista em Política, Gestão e Produção Cultural, com experiência nos aspectos jurídicos do fazer cultural e gestão de direitos autorais. As aulas acontecerão nos três dias de evento, no Arquivo Público de Santo Amaro, das 16h às 19h, totalizando uma carga horária de 9 horas. Tendo como público-alvo agentes culturais em geral – artistas, produtores e gestores culturais –, são oferecidas 70 vagas, ocupadas através de seleção, sendo necessário preenchimento de formulário de inscrição disponível até 7 de novembro no site www.paisagemsonorabahia.org. Em linguagem acessível, o curso objetiva instrumentalizar participantes a respeito das questões basilares dos direitos autorais, com seus fundamentos e princípios, conceitos-chave, limitações, modalidades de utilização, repercussão econômica, transações (licença x cessão) e práticas associativas. Também buscará promover o entendimento sobre direitos autorais aplicados ao mercado da música, focados em dois tópicos relevantes: execução pública e presença no ambiente digital. Ainda irá desenvolver habilidades para análise de contratos, com percepção de valor a partir de dois vetores: consciência da trajetória profissional e compreensão de práticas de mercado condizentes com a lógica dos direitos autorais.

ONDE ESTÁ O CIRO?


 

sexta-feira, 21 de outubro de 2022

SE UM "CIDADÃO DE BEM CHEGA COM ESSA CONVERSA"? HEIM?


 

APOSENTADOS VÃO SE LASCAR - É PRA APLAUDIR DE PÉ, IGREJA!!!!!


 

Mais obras proporcionam melhorias ao Campus da UESC


Novas obras realizadas na Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) são resultados de esforços para proporcionar melhorias na infraestrutura do Campus Professor Soane Nazaré de Andrade. Entre elas, a construção do Anexo ao Pavilhão Professor Evandro Sena Freire, nova denominação do prédio do Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas (DCET), com cerca de 200m². Também em fase de andamento, a construção do Refeitório do Hospital Veterinário e da Mini Arena, um novo espaço de convivência situada no bosque em frente ao Pavilhão Jorge Amado. Além disso, foi concluída a recuperação da piscina semiolímpica do Parque Desportivo da Uesc. Estas e outras informações estão disponíveis na nova edição do Jornal da Uesc, que também destaca os resultados positivos obtidos pelos programas de pós-graduação da Universidade avaliados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC). Leia também, nesta edição, uma entrevista exclusiva com o pró-reitor de Extensão, professor Neurivaldo José de Guzzi Filho, na qual apresenta um panorama das atividades extensionistas no âmbito da instituição. O Jornal da Uesc, que também possui versão impressa, produzida na Gráfica Universitária, integra o módulo Uesc Notícias, um dos mais visitados do portal uesc.br, que une o trabalho da Assessoria de Comunicação e do Núcleo Web.

Uesc realiza Semana do Livro e da Biblioteca - Campanha de Preservação e Conservação do Acervo

A Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) vai comemorar a Semana do Livro e da Biblioteca de 25 a 27 de outubro em menção ao Dia Nacional do Livro, 29 de outubro. A programação tem por objetivo a conscientização para a preservação e conservação do acervo, incentivar a leitura e a construção do conhecimento através da divulgação do livro e do acesso as diversas fontes de informação. O evento terá minicursos, oficinas, contação de histórias, apresentação artísticas e culturais, feira de livros, exposições de recursos informacionais de multimídias e dos livros danificados. A comemoração é nacional e, é estabelecida pelo Decreto nº 84.631/1980.

LOTADO


 

terça-feira, 18 de outubro de 2022

Exposições no Museu Vitrine das Artes Visuais Espaço no térreo do Pavilhão Pedro Calmon

Duas exposições simultâneas, “Cultura Pop” e “Descoberta: a artista em mim” estão sendo apresentadas no Museu Vitrine das Artes Visuais da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), disponíveis ao publico em geral até dezembro de 2022. A mostra pode ser observada no andar térreo do Pavilhão Pedro Calmon, no campus Professor Soane Nazaré de Andrade. A exposição “Cultura Pop” tem peças de escultura em argila, de autoria de Matheus Garcia Soares. Natural de Monte Azul Paulista, o artista é docente da Uesc, lotado no Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas (Dcet), com atuação na área de Engenharia Elétrica. Na infância, Matheus se interessou por desenhos japoneses (animes) e, aos 13 anos, estudou desenho com a artista plástica e professora Rita de Biase. Seu contato com a escultura em argila se inicia em 2018, em um curso de arte terapia, com a professora Vitoria Bittencourt, em Ilhéus. Em 2019, tem contato com a pintura em cerâmica com a professora Cláudia Vampré, na cidade de Itacaré-Ba. “Cultura Pop” é a primeira exposição do artista plástico. A outra exposição, “Descoberta: a artista em mim”, é de autoria de Selene Siqueira da Cunha Nogueira, também paulista, docente da Uesc, lotada no Departamento de Ciências Biológicas (CB), com atuação na área de Zoologia. Na infância, Silene lidava com fotos, tintas, pincéis, modelagem em massa plástica. Teve sua primeira experiência com cerâmica na Universidade do Havaí, Estados Unidos, em 2006. Seu estilo artístico, tanto no que tange à cerâmica como na pintura (óleo sobre tela), tem influência direta dos artistas baianos Maria Vitoria Bittencourt (Ilhéus) e Israel Kislansky, e do espanhol Juan Laso. Já expôs no Museu da Capitania de Ilhéus e participou de exposições virtuais em 2020 e 2021. O Museu Vitrine das Artes Visuais da Uesc foi idealizado e organizado pelo artista plástico Guilherme Albagli, em 2010, então professor do Departamento de Letras e Artes (DLA). Atualmente, é coordenado pelo professor Samuel Mattos, também vinculado ao DLA. As duas vitrines, situadas no térreo do Pavilhão Pedro Calmon, possibilitam aos transeuntes um interessante contato com as artes visuais: Fotografia, pintura, escultura, desenho, gravura, cinema, entre outras. É também espaço para exibição de trabalhos dos próprios docentes, discentes, técnicos e analista.

PINTOU UM CLIMA... SEM DENTES


 

PINTOU UM CLIMA.... ASQUEROSO


 

segunda-feira, 17 de outubro de 2022

PULGUENTO


 

CRUZADINHA


 

FESTIVAL DO CHOCOLATE ILHEENSE É SUCESSO TAMBÉM NA EUROPA

Com entrada gratuita, Chocolat Festival Portugal será realizado entre os dias 20 e 23 de outubro
Após diversos voos domésticos, o Chocolat Festival vai a Portugal, onde realiza sua estreia fora do Brasil. A cidade escolhida para o desembarque foi Vila Nova de Gaia, na área metropolitana do Porto. As portas de seu ‘quarteirão cultural’, o World of Wine (WOW), serão abertas gratuitamente no dia 20 e assim permanecerão até o dia 23. Durante o período, haverá degustação de chocolates; participação de representantes de vários países produtores; palestras; exposições e momentos de demonstração culinária; cozinha para crianças; e apresentações musicais. Em 2022, o festival já passou também por Salvador (BA), Altamira (PA), Ilhéus (BA), Linhares (ES) e Belém (PA). Neste ano, ainda está previsto mais um desembarque doméstico, em São Paulo (SP), em dezembro. O Chocolat Festival Portugal é uma realização da MVU Eventos, detentora da marca para o Brasil e exterior, e do WOW. Grandes nomes do setor já confirmaram presença no evento: o presidente da cooperativa CEQAQ-11, em São Tomé e Príncipe, Adalberto Luís; do Reino Unido vêm a presidente da Academy of Chocolate Awards, no Reino Unido, Chantal Coady; e o fundador da Cocoa Runners, Spencer Hyman. Estarão presentes, ainda, María Jiménez, dos Países Baixos, e Clay Gordon, dos Estados Unidos, além do investigador de cacau da Amazônia César de Mendes, da diretora da ChocoMad, a espanhola Helen López, e da austríaca Julia Zotter, da Zotter Schokolade. O Chocolat Festival Portugal vai contar com expositores de algumas das principais marcas de chocolate e de produtos ligados ao cacau e ao chocolate, como a Vinte Vinte (Portugal), Feitoria do Cacau (Portugal) Kankel (Espanha), Dolfin (Bélgica), De Mendes (Brasil), Chocoleyenda (Equador), FBM (Itália) e Lareka (Países Baixos).
Programação de quinta-feira - A abertura do Chocolat Festival Portugal será às 18h e, logo de cara, às 18h30, tem a Cozinha Kids, um espaço com recreações e minicursos voltados ao público infantil. No mesmo horário, acontece o Showcooking, com preparo de receitas ao vivo por grandes chefs e workshops de gastronomia. Em seguida, as atenções se voltam para o Palco Cacau, que receberá apresentações de capoeira, às 19h, e de música, às 20h.
Programação de sexta-feira - Com início mais cedo, às 14h, o festival será aberto pelo Fórum do Cacau, com painéis sobre a produção de cacau fino, a sustentabilidade da cultura do cacau e os avanços tecnológicos. Apresentado por Adalberto Luís, o primeiro tem como tema Uma cooperativa de cacau de São Tomé para o mundo. Às 15h, começam as movimentações na Cozinha Kids, com atividades também às 16h30, 18h e 19h30. A chef Sara Silva comanda os Workchocs das 15h e 18h. Nos mesmos horários, tem Workshops sobre a harmonização entre vinho e chocolate, com Fábia Ribeiro e Marta Campos, respectivamente. As receitas do Showcooking serão preparadas às 15h e 16h30. Uma hora depois, as apresentações tomam conta do Palco Cacau. O evento se estende noite adentro, com uma das duas últimas atrações apenas às 20h, no Fórum do Cacau: o painel Lessons from wine and coffee, ministrado por Spencer Hyman. No mesmo horário, a banda Mandioca Cru sobe ao palco.
Programação de sábado - A primeira atração do dia, às 14h, é o Chocoday, que vai trazer, ao longo de todo o dia, painéis, com palestrantes nacionais e internacionais, sobre as tendências do mundo do chocolate — o primeiro deles, History of chocolate, com Spencer Hyman. A criançada tem compromisso marcado com a Cozinha Kids novamente das 15h, 16h30, 18h e 19h30. Às 15h e 18h, respectivamente, acontece também os Workchocs com Fábia Ribeiro e Mika Hyman. Nos mesmos horários, tem novos Workshops sobre vinho e chocolate, com Diego Ventura e Fábia Ribeiro. As exibições no Showcooking acontecem às 15h, 16h30, 18h e 19h30. Às 15h30, tem novo tema no Chocoday e, às 16h, tem atração no Palco Cacau. Às 20h, fecham o terceiro dia de festival o painel What judges look for in awarding craft, no Chocoday, com Chantal Coady; e o grupo Forró Raiz do Norte, no Palco Cacau. Ainda sobra tempo para um coquetel, das 22h à 1h.
Programação de domingo - Assim como nos dois dias anteriores, no domingo, a abertura do evento será às 14h, mas é só uma hora depois que ele começa pra valer. Na Cozinha Kids, logo às 15h, tem atividade, assim como às 16h30, 18h e 19h30. Às 15h e às 18h, acontecem os Workchocs e Workshops. O primeiro Showcooking será realizado também a partir das 15h, com outras edições às 16h30, 18h e 19h30. Quase no mesmo horário, às 16h e 20h, o Palco Cacau recebe duas das três apresentações do último dia. Entre uma atração e outra, às 18h30, o Chocoday terá seu primeiro painel, com Pedro Araújo. Pra fechar o Chocolat Festival Portugal com chave de ouro, às 20h, haverá duas opções: acompanhar o painel de Chantal Coady ou o show na entrada principal do WOW.
Mais detalhes estão disponíveis no site chocolatfestival.com.

SEM COMENTÁRIOS...


 

domingo, 16 de outubro de 2022

OSSO DURO DE ROER


 

MONSTRUOSIDADE. MALDITO.


 

ITABUNA - ESPOSIÇÃO FOTÓGRÁFICA NA CELEBRAÇÃO DOS 20 ANOS DO COLÉGIO MODELO

Celebrando 20 anos de fundação, o Colégio Modelo Luiz Eduardo Magalhães de Itabuna, recebeu nos dias 13 e 14 a exposição fotográfica “Toponímia de Itabuna: Ruas e Avenidas que revelam Histórias”, a convite da professora Mirela Januário Hottis. A atividade foi coordenada pela Professora Janete Ruiz de Macedo, do Departamento de História da Universidade Estadual de Santa Cruz(UESC) e curadora do Centro Cultural Teosópolis (CCT). De acordo com a educadora, a exposição foi uma oportunidade de proporcionar aos alunos da instituição pública de ensino conhecimento histórico de Itabuna, através de personagens, “verdadeiros desbravadores que construíram e fizeram a história do município de Itabuna”, ela ressaltou. A exposição, agora itinerante, é realizada em parceria com a Universidade Estadual de Santa Cruz(UESC) através do Centro de Documentação e Memória(CEDOC) e o CCT. Para o reitor da Uesc Alessandro Fernandes “A exposição traz para nossos jovens a compreensão de como foi construída a nossa Itabuna”. A professora Mirela Januário Hottis agradeceu a chegada da exposição em um momento histórico da escola, oportunizando aos seus alunos conhecer a história do município. A exposição que é um verdadeiro sobrevoo sobre o município. No passeio por Itabuna, por meio de painéis, é relatada a história de vida do Comendador Firmino Alves, Olinto Leone, Aziz Maron, Mário Padre, Barão do Rio Branco, Inácio Tosta Filho, Lafayete Borborema, Juraci Magalhães, Felix Mendonça, José Soares Pinheiro, Corbiniano Freire, Gileno Amado, Amélia Amado. Conta ainda o legado do Pastor Hélio Lourenço, Fernando Cordier, Manoel Leão, Laura Conceição, João Soares, Maria Pinheiro, Daniel Gomes, Simão Fitterman, José Alcântara, Sarinha Alcântara, Paulino Vieira e outros personagens que dão nome a ruas e bairros de Itabuna, verdadeiros desbravadores e beneméritos do município.

NOVO NORMAL... SORRY

Arte Jota Camelo

 

quarta-feira, 12 de outubro de 2022

CRIANÇA


 

A Uesc terá Centro de Pesquisas em Biodiversidade que abrigará laboratórios e coleções zoológicas

O reitor da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), Alessandro Fernandes de Santana, anunciou a construção do prédio que vai abrigar o Centro de Pesquisas em Biodiversidade (CPBio). A licitação da obra foi homologada pelo Governo do Estado da Bahia. O Centro está planejado com dois pavimentos, contendo 30 laboratórios que atenderão as áreas relacionadas às pesquisas em Biodiversidade, incluindo Ecologia, Botânica, Zoologia e Genética. Terá aproximadamente 2.500m² de área construída e vai abrigar, além de laboratórios, as Coleções Zoológicas da Universidade e a sua curadoria. O reitor assinala que “o CPBio tem como objetivo adequar a infraestrutura física para os programas já existentes, elevando-se a Instituição ao nível de Centro Internacional de Excelência em Ciência e Tecnologia na área de Biodiversidade”. Destaca que “essa obra foi idealizada em 2012, quando da submissão de proposta de financiamento à Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), inicialmente planejada para conter três pavimentos, com custo estimado em R$4 milhões, dos quais, R$3,5 milhões seriam aportados pela Finep e R$500 mil pela Universidade. Em 2020, a Pró-Reitoria de Pesquisa de Pós-Graduação (Propp) da Universidade solicitou a inclusão da obra no orçamento para 2021 tendo o seu valor atualizado para cerca de R$13,5 milhões porém, mesmo com o processo de licitação iniciado, a Finep anunciou o cancelamento do convênio”. Alessandro Fernandes ressalta que “imediatamente, esta Reitoria buscou reuniões com os diretores e técnicos da agência de fomento, defendendo a importância da manutenção da obra, bem como garantindo recursos para a sua execução, na ordem de R$9,5 milhões, cabendo à Finep o aporte de R$ 4 milhões”. “Com a recente divulgação dos resultados da avaliação quadrienal da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e a ratificação da Uesc como grande centro de excelência em pesquisa científica da região e do país, mantendo ou aumentando as notas dos cursos de pós-graduação, a construção de mais um espaço para a pesquisa é uma grande conquista para os docentes, discentes e técnicos administrativos, beneficiando assim a sociedade em geral”, aponta o reitor da Uesc.

DEMOMARES

 

terça-feira, 11 de outubro de 2022

Ministério Público abre 200 vagas para estágio em pós-graduação em Direito na Bahia


O Ministério Público estadual abre, na próxima quinta-feira, 13, as inscrições para estágio em pós-graduação em Direito por meio de análise curricular online. Serão ofertadas 200 vagas imediatas e para cadastro reserva em Salvador e nas Promotorias de Justiça Regionais do interior da Bahia, como Alagoinhas, Irecê, Porto Seguro, Valença, entre outras. As inscrições estarão abertas até às 12h do dia 28 de outubro e vão ocorrer em ambiente virtual, no site do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE). O candidato deve selecionar na lista de “Processos Seletivos” o Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA). Poderão participar do processo seletivo estudantes regularmente matriculados em instituições de ensino públicas ou privadas, presencial ou a distância (EaD), reconhecidas pelo Ministério da Educação, com carga horária mínima de 360 horas de aulas e frequência efetiva nos cursos de Ensino Superior de Pós-Graduação das Instituições de Ensino conveniadas descritas no edital. 10% das vagas serão reservadas às pessoas com deficiência e 30% aos candidatos negros. O edital na íntegra, a lista das Promotorias Regionais e mais informações sobre o processo seletivo estão disponíveis no site do CIEE.

A Uesc é campeã do 3º Desafio Flex de Inovação em São Paulo


A equipe Cacau High Tech, da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), é campeã do 3º Desafio Flex de Inovação, com o desenvolvimento e implementação de Dispositivo de Corte e Análise da Qualidade de Amêndoas de Cacau, por meio de inteligência artificial. O evento foi promovido pelo Fletronics Instituto de Tecnologia (FIT) localizado em Sorocaba (SP), com o objetivo de aproximar a relação Universidade e Indústria, encontrar novos talentos e desenvolver um ecossistema para acelerar a inovação de corporações e startups. A equipe da Uesc concorreu com mais de 100 projetos tecnológicos inovadores de diversas universidades do país. A equipe Cacau High Tech é formada basicamente pelos professores da Uesc Eduardo Palmeira, José Carlos de Camargo e Geovana Pires, pelo doutorando Felipe Antunes (egresso da Uesc) e pelo estudante de engenharia mecânica Iago Cruz. A atividade chave está ligada ao desenvolvimento, pesquisa e inovação. A classificação das amêndoas é feita por meio da otimização de uma rotina computacional utilizando de inteligência artificial. O grupo foi recebido pelo reitor Alessandro Fernandes que destacou a importância do prêmio para a Universidade e para a sociedade em geral. “O prêmio é simbólico. A nossa Uesc foi única universidade do nordeste brasileiro concorrendo com instituições tradicionais, situadas em outras regiões, e conquistar esse prémio pela criação de uma ferramenta que garante a qualidade do nosso cacau além de revelar um ecossistema tecnológico e inovador em seu ambiente”. O desafio que a equipe buscou solucionar diz respeito à deficiência na análise da qualidade da amêndoa do cacau. Atualmente, esta classificação é feita a partir de um teste de corte que consiste na seleção individual das amêndoas e a análise visual das suas características. O processo de corte é feito por um alicate e a classificação por meio de uma análise visual, a qual depende necessariamente da capacidade de avaliação do analista. Além de demorado, o processo é passível de falhas, já que depende da capacidade de avaliação do analista. Para solucionar esse desafio a equipe Cacau Hightech propôs desenvolver um equipamento de corte com inteligência artificial embarcada. Esse equipamento faz a classificação em escala, visto que o corte é automatizado. A amêndoa é alojada em uma corrente transportadora, seccionada e levada a um compartimento onde é feita uma imagem por meio de uma câmera digital. Esta imagem é enviada a um hardware a qual faz a classificação utilizando inteligência artificial. Um relatório é emitido e contém as informações sobre a classificação. Para concluir o processo, a amêndoa é armazenada em bandejas de acordo com a classificação. O sistema de inteligência artificial embarcado contempla as etapas de registro das Amêndoas, classificação, registro da classificação, armazenamento e geração de relatório. O modelo de negócio tem como proposta de valor fornecer um equipamento de corte de amêndoa de cacau automatizado e com um sistema de análise automatizado baseado em Inteligência artificial acoplado a esse equipamento. Os parceiros são a Uesc, o Centro de Inovação do Cacau (CIC) e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Informática Eletroeletrônica de Ilhéus (Cepedi). Os principais grupos de receita são a venda direta do produto, consultoria de treinamentos e atualizações do sistema; enquanto os principais segmentos de clientes estão relacionados com produtores de cacau, empresas de chocolate premium e laboratórios que realizam teste de corte.

domingo, 9 de outubro de 2022

KELLY DOURADO LANÇA LIVRO EM SALVADOR EM CO-AUTORIA COM FILHOS


A Professora Kelly Dourado está entre os autores baianas selecionados para exporem suas obras na maior exposição de livros do Brasil, que acontecerá dia entre os dias 10 e 15/11/22, no Centro de Convenções de Salvador. A Escritora, que assina pelos editoriais: ORATÓRIA- Arte de Falar, Convencer e Encantar e MULHERES QUE PROTAGONIZAM A SUA HISTÓRIA, lançará no evento cultural, um livro de bolso intitulado OS PRINCIPAIS EQUÍVOCOS DA FALA. Kelly fala sobre a realização de ter mais uma obra para apreciação do público, mas ressalta, sobretudo, o coração transbordando de alegria por ter construído todo o manuscrito com auxílio dos dois filhos adolescentes, Franklin Dourado (15 anos) e Kevin Dourado ( 13 anos) que são coautores da obra. "A participação deles foi fundamental. Inclusive algumas das ideias que poderão definir o sucesso do projeto vieram de Kevin. Já o trabalho de pesquisa e parte da digitação foi feita por Franklin". Relata a mãe orgulhosa. O livro é direcionado para todos os públicos, inclusive as crianças, pois contém ilustrações em preto e branco que podem ser coloridas por estas.

CONJE

 


quinta-feira, 6 de outubro de 2022

Precursor do cenário das artes digitais em Minas Gerais inaugura exposição no Centro Cultural UFMG

O Centro Cultural UFMG convida para a abertura da exposição Transistornos Psicotecnoneuromidiacráticos Poetrônicos, do artista Chico Marinho, na sexta-feira, 7 de outubro, às 19h. A mostra reúne desenhos, poesias, instalações, esculturas sonoras/interativas, vídeo arte, dentre outras produções e tem a curadoria de Pablo Gobira e realização do Laboratório de Poéticas Fronteiriças - Lab|Front. As obras poderão ser vistas até o dia 15 de novembro. A entrada é gratuita, com classificação indicativa de 16 anos. A exposição relaciona arte, ciência e tecnologia a partir da produção poética analógica e digital. As obras de Chico Marinho buscam promover o diálogo entre a arte e as ciências cognitivas, ciência da computação, engenharias, arte e design, dentre outros campos do conhecimento.
Artista - Francisco Marinho é artista, pesquisador independente e professor aposentado da Escola de Belas Artes da UFMG. É precursor do cenário das artes digitais em Belo Horizonte e em Minas Gerais, especialista em Neurociências pela Faculdade Febracis (2022), pós-doutor em Literatura e Informática pela UFSC (2014), doutor em Ciência da Comunicação pela USP (2004), mestre em Artes Visuais (1997) e graduado em Engenharia Mecânica (1983) pela UFMG. Pesquisa arte e tecnologia nas seguintes áreas: neurociência aplicada à computação criativa, jogos digitais, cinema de animação, arte computacional, instalações interativas imersivas, multimídia, interfaces homem-máquina e aplicativos artísticos e educacionais para dispositivos móveis. É pesquisador no grupo de pesquisa 1maginári0: poéticas computacionais. Atua no Curió Ateliê em Belo Horizonte - MG.
Curador - Pablo Gobira é professor da cadeira de curadoria da Escola Guignard, na Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), e do corpo docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Artes (UEMG), do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Organização do Conhecimento da Escola de Ciência da Informação (UFMG) e da Pós-Graduação em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável da Escola de Arquitetura (UFMG). Foi curador de inúmeras residências e exposições em parceria com diversos atores culturais (Casa Fiat de Cultura, Palácio das Artes, Centro Cultural da Escola de Design, Oi Futuro Flamengo, Sucesu-MG/FINIT, PROEx/UEMG, dentre outros). É pesquisador de produtividade (PQ/CNPq) e membro da Rede Brasileira de Preservação Digital (IBICT/MCTI), estudando a preservação de obras, acervos e coleções digitais em contexto museológico e fora dele. Tem atuado como consultor de curadoria em museus e web3, metaverso, NFTs, blockchain e outras modalidades de redes distribuídas.
Realizadores - O Laboratório de Poéticas Fronteiriças - Lab|Front é um grupo de pesquisa de desenvolvimento e inovação que se propõe problematizar as/nas fronteiras. O grupo é cadastrado no Diretório do CNPq (http://artesdigitais.tk) e certificado pela UEMG. O Lab|Front busca consolidar uma área de pesquisa - produção artística e teórica - nas diversas fronteiras: dos saberes, das linguagens artísticas, do conhecimento científico e tecnológico. Como grupo que estuda/pratica o que está na fronteira, elege a estratégia de reconhecer e estudar conflitos existentes nesses fronts. O Lab|Front se ocupa do que é gerado (produzido, provocado, construído, escondido, criado etc.) nas bordas e através delas. Ocupa-se dos conflitos próprios na construção dos saberes e das linguagens: no conhecimento do ser humano (e seu corpo), do território (das ecologias diversas das cidades e seus espaços urbanos), do jogo (e a “gamificação” da vida), da arte (e a “arteficação” da vida) dentre outros campos e conflitos gerados em lugar fronteiriço.